O ENCONTRO ENTRE O OUTRO E O MESMO NA LITERATURA DE VIAGENS

Maria Elizabeth Chaves de Mello

Resumo


Ao ler os relatos de viajantes franceses sobre o Brasil, constatamos que o Brasil é um mito paradoxal para os franceses, a partir do Renascimento, servindo como base de crítica à moral da civilização, pelo fato de oferecer o espetáculo da superioridade do homem natural, o mito de um mundo novo a ser preservado, de um mundo primitivo que deve ser civilizado... E onde o imaginário tem o seu lugar... Ao mesmo tempo, é o lugar da crueldade, da ferocidade, do canibalismo. O imaginário desenvolvido pela visão ambígua dos viajantes europeus sobre o país será responsável pela imagem que os brasileiros fazem de si mesmos, ainda hoje. E que estão na base de muitos temas nas obras literárias, teatrais e cinematográficas, ainda hoje. Daí a importância de ler e estudar esses textos na História da Literatura, para uma melhor compreensão da formação da nacionalidade brasileira, através do olhar do outro.


Palavras-chave


literatura de viagem, o mesmo/o outro, França/Brasil

Texto completo:

PDF HTML

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



A Revista Brasileira de Literatura Comparada está indexada nas seguintes bases:


Revista Brasileira de Literatura Comparada, ISSN 0103-6963, ISSN 2596-304X (on line)

Licença Creative Commons
Esta revista utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.