AFRO-CARIBBEAN WOMEN WRITERS AND THE LITERARY EXPERIENCE: OTHERING AS SYMBOLIC VIOLENCE IN MERLE HODGE’S CRICK CRACK MONKEY

Norma Diana Hamilton, Cristina Stevens

Resumo


Este artigo discute a questão da violência simbólica contra o sujeito feminino negro devido ao posicionamento como ‘Outro’ na cultura europeia dominante, conforme representado no romance Crick Crack Monkey (1970) de Merle Hodge. Os assuntos abordados – não necessariamente nessa ordem –, incluem: a maneira como as escritoras afro-caribenhas utilizam a literatura como contra-discurso para expor e denunciar a violência psicológica que sofrem as meninas negras pobres; a forma em que elas empregam esse dispositivo para resgatar identidades positivas das mulheres afro-caribenhas, tendo em vista que, na literatura tradicional, estas mulheres foram estereotipadas como inferiores, e estigmatizadas como um todo homogêneo, ignorando a diversidade e complexidade dos inúmeros grupos e indivíduos que compõem este todo; e, por último, o modo em que a produção literária feminina afro-caribenha se distingue das concepções normativas do literário, para articular as culturas e experiências híbridas das mulheres negras na diáspora caribenha.

Palavras-chave


Othering, Violência Simbólica, Narrativa Feminina Afro-Caribenha, Diáspora Caribenha, A Língua Inglesa

Texto completo:

PDF
184 visualizações.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



APOIO:


A Revista Brasileira de Literatura Comparada está indexada nas seguintes bases:


Rev. Bra. Lit. Comp. Niterói, v.22, n.39, jan. / abr. 2020

Revista Brasileira de Literatura Comparada, ISSN 0103-6963, ISSN 2596-304X (on line)

Licença Creative Commons
Esta revista utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

Wildcard SSL Certificates