EPOPEIA E ROMANCE EM CONFLITO? O FELIZ INDEPENDENTE (1779), DE TEODORO DE ALMEIDA

Markus Ebenhoch

Resumo


A análise da narrativa híbrida O feliz independente (1779), de Teodoro de Almeida, revela como a poesia épica em Portugal já estava num processo de renovação perto do final do século XVIII, colocando pistas para o romance histórico do Romantismo. As reflexões metaliterárias do mesmo autor e o discurso poetológico que acompanhou a publicação mostram o status volátil de alguns paradigmas do gênero épico, por exemplo, o uso do verso, os feitos heroicos com relevância para uma coletividade ou a conceção do herói. Para os contemporâneos, a obra de Almeida é um “poema épico em prosa”, hoje em dia classificamo-la como “romance”. Neste trabalho destacam-se as características épicas e romanescas de O feliz independente, tendo como pano de fundo os debates poetológicos do século XVIII e as teses sobre os gêneros literários de Mikhail Bakhtin.

Palavras-chave


Teodoro de Almeida, Mikhail Bakhtin, poesia épica, romance

Texto completo:

PDF
31 visualizações.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



APOIO:


A Revista Brasileira de Literatura Comparada está indexada nas seguintes bases:


Rev. Bra. Lit. Comp. Niterói, v.22, n.39, jan. / abr. 2020

Revista Brasileira de Literatura Comparada, ISSN 0103-6963, ISSN 2596-304X (on line)

Licença Creative Commons
Esta revista utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

Wildcard SSL Certificates