DE VOLTA À SENHORA DE PANGIM: OUTRAS FONTES E OUTRAS REPRESENTAÇÕES

Mário César Lugarinho, Helder Thiago Maia

Resumo


Este artigo apresenta duas seções que, apesar de distintas, estão conectadas pelo objeto comum, o romance A Senhora de Pangim, do autor integralista brasileiro Gustavo Barroso, publicado, no Brasil, em 1932, e, em Portugal em 1940. Na primeira sessão são analisados estudos de fundo histórico e literário, publicado entre 1932 e 1965. Na segunda seção são analisadas representações gráficas da personagem histórica de Baltasar do Couto Cardoso/Maria Úrsula de Abreu e Lencastro (1682-1730), com especial interesse para duas revistas em quadrinhos, uma brasileira Edição Maravilhosa, n. 116, publicada em 1956, e uma mexicana Mujeres Célebres, n. 57, publicada em 1965. Estamos interessados não só em pensar as reiterações e rupturas entre o discurso histórico e o discurso literário, mas também a discussão sobre donzelas-guerreiras e a maneira como essas representações consideraram a instabilidade de gênero da personagem.

Palavras-chave


Baltasar do Couto Cardoso; Maria Úrsula de Abreu e Lencastro, Donzelas-Guerreiras, Ficção, História, Quadrinhos

Texto completo:

PDF
27 visualizações.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



APOIO:


A Revista Brasileira de Literatura Comparada está indexada nas seguintes bases:


Revista Brasileira de Literatura Comparada, ISSN 0103-6963, ISSN 2596-304X (on line)

Licença Creative Commons
Esta revista utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

Wildcard SSL Certificates