O CORPO EM TIRAS: FICÇÕES E AUTOFICÇÕES TRANSGÊNERAS NAS TIRAS DE LAERTE COUTINHO

Maria Clara da Silva Ramos Carneiro

Resumo


Laerte Coutinho preparava o lançamento de seu livro Muchacha (COUTINHO, 2010) quando concedeu uma entrevista à Revista Bravo! declarando-se, naquele momento, crossdresser. Desde então, seu trabalho e sua vida foram objeto de muita discussão dentro e fora da academia quanto a sua transgeneralidade. Hoje assumidamente uma pessoa transgênero, Coutinho tem aproximadamente 50 anos de carreira e uma obra vasta no formato fragmentário de tiras e histórias curtas em quadrinhos, em que vimos seu corpo representado esporadicamente. O processo de autodescoberta de seus próprios desejos permeou também seu trabalho, em que personagens encenavam-se travestis enquanto a autora experimentava roupas e adereços “de mulher”. Neste trabalho, pretendo observar alguns dos quadrinhos de Laerte em que o corpo aparece encenado, sobretudo tiras e livros publicados a partir de 2005.

Palavras-chave


Laerte Coutinho; quadrinhos; tiras; corpo trans; autoria

Texto completo:

PDF
24 visualizações.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



APOIO:


A Revista Brasileira de Literatura Comparada está indexada nas seguintes bases:


Revista Brasileira de Literatura Comparada, ISSN 0103-6963, ISSN 2596-304X (on line)

Licença Creative Commons
Esta revista utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

Wildcard SSL Certificates