SILENCIAMENTOS E IMPASSES NA TRANSMISSÃO MEMORIAL: HAITI E BRASIL VISTOS PELOS OLHOS DE DUAS ESCRITORAS AFRO-AMERICANAS: EMMELIE PROPHÈTE E DJAMILA RIBEIRO

ZILA BERND

Resumo


O artigo apresenta, através da análise dos romances Les villages de dieu (2021), Un ailleurs à soi (2018) e Le bout du monde est une fenêtre (2018) da escritora haitiana Emmelie Prophète, reconhecida como a grande voz feminina da literatura haitiana contemporânea, e Cartas para minha avó (2021) da escritora e filósofa brasileira Djamila Ribeiro, as relações entre ausências, solidões e apagamentos e o desejo de representificação, através da literatura, de stocks memoriais que ficaram à margem. A obra da teórica francesa Anne Muxel, Individu et mémoire familiale (1996), subjaz a nossa leitura que tenta iluminar a importância da memória genealógica no trabalho de reapropriação identitária. As obras das duas escritoras afro-americanas, buscam dar voz aos que foram subalternizados, reivindicando sua humanidade e rompendo as amarras de seus silenciamentos e de suas solidões.


Palavras-chave


Trabalho de memória; Literatura haitiana; Literatura afro-brasileira; Transmissão memorial; Memória geracional

Texto completo:

PDF
100 visualizações.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



APOIO:


A Revista Brasileira de Literatura Comparada está indexada nas seguintes bases:


Revista Brasileira de Literatura Comparada, ISSN 0103-6963, ISSN 2596-304X (on line)

Licença Creative Commons
Esta revista utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

Wildcard SSL Certificates