O RESPEITO PELO ORIGINAL: JOÃO UBALDO RIBEIRO E SUA VISÃO SOBRE A (AUTO)TRADUÇÃO EM ENTREVISTA POR E-MAIL

Maria Alice Gonçalves Antunes

Resumo


No Brasil, João Ubaldo Ribeiro é o caso mais conhecido de autotradução até este momento. Traduziu dois romances para o inglês: Sargento Getúlio (1971) / Sergeant Getúlio (1978) e Viva o povo brasileiro (1984) / An invincible memory (1989). O propósito deste artigo é discutir as atitudes e opiniões do autor sobre sua (auto)tradução, tomando como ponto de partida suas explicações emitidas em entrevista por e-mail. O exame de arquivo pessoal ilumina um processo pouco claro e raramente investigado. Para a pesquisa, apresento o arquivo da entrevista realizada por e-mail entre 2003 e 2007, período durante o qual enviei um e-mail por semana ao escritor e obtive respostas a questões sobre seu trabalho de autotradução, entre outros temas. Entre outras revelações, João Ubaldo apresenta o “ar traduzido” como estratégia de tradução.

Palavras-chave


autotradução; estudos da autotradução; estudos da tradução

Texto completo:

PDF
55 visualizações.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



APOIO:


A Revista Brasileira de Literatura Comparada está indexada nas seguintes bases:


Revista Brasileira de Literatura Comparada, ISSN 0103-6963, ISSN 2596-304X (on line)

Licença Creative Commons
Esta revista utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

Wildcard SSL Certificates