ARQUIVO DAS MEMÓRIAS, MEMÓRIA DOS ARQUIVOS

Maria da Glória Bordini, Marcos Antônio de Moraes

Resumo


A memória, em sua complexa realidade contemporânea, suscita
investigações em diversas áreas do saber. Enseja abordagens
multifocais, considerando a sua natureza filosófica, produção,
enquanto processo bioquímico e linguagens, preservação, individual e
coletiva, bem como a sua proteica reconfiguração no campo das artes.
Traz à tona questões relacionadas às ciências, à tecnologia, à psicanálise,
à experiência estética etc. A matéria memorialística desafia o trabalho
de historiadores, antropólogos e de sociólogos, bem como presentifica
dimensões políticas e econômicas, colocando em pauta, por exemplo,
imaginários na base da criação e manutenção de museus e instituições de
cultura que preservam acervos pessoais e institucionais (v. ZILBERMAN
et al., 2004). No campo da literatura, o memorialismo propiciou a criação
de obras-primas como Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust,
e Baú de ossos, de Pedro Nava. Outras produções também se enraízam
nas “escritas de si” (v. GUSDORF, 1991), como autobiografias, diários,
correspondências e entrevistas, instaurando intricadas proposições
reflexivas na teoria, na historiografia e na crítica literária e biográfica
(v. SOUZA, 2011). Memória evoca necessariamente esquecimento, seu
duplo, ampliando o espectro de indagações sobre os seus significados
individuais e coletivos (v. RICOEUR, 2007).

Texto completo:

PDF
125 visualizações.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



APOIO:


A Revista Brasileira de Literatura Comparada está indexada nas seguintes bases:


Revista Brasileira de Literatura Comparada, ISSN 0103-6963, ISSN 2596-304X (on line)

Licença Creative Commons
Esta revista utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

Wildcard SSL Certificates