PELOS CAMINHOS BORGIANOS DE ENEIDA MARIA DE SOUZA

Cassia Dolores Costa Lopes

Resumo


Este ensaio aproxima o nome de Eneida Maria de Souza ao de Jorge Luis Borges com o propósito de evidenciar a presença do escritor argentino na trajetória da autora mineira, em um jogo de duplos que afirma o projeto teórico-crítico de Eneida de Souza. Para tanto, este texto faz uma leitura de um livro e dois artigos dessa autora: “O século de Borges”, “Biografar é metaforizar o real” e “Madame Bovary somos nós”, respectivamente. Como forma de construção argumentativa, será usada a imagem do Aleph como prisma imagético através do qual se pode atravessar o vasto campo crítico e ensaístico de Eneida de Souza, não só pelo modo como se apropriava de detalhes vividos, de pequenos acontecimentos e conseguia fazer grandes conexões interpretativas e ficções teóricas: “A esfera luminosa que dá nome ao conto “O Aleph”, cujo centro está em todas as partes e a circunferência em nenhuma, é o ponto de encontro imaginário, eterno e fugaz do infinito”. (SOUZA, 1999, p. 74-75) Também se propõe a estabelecer relações entre dois personagens Funes, el memorioso e Santiago, o primeiro extraído de um conto de Jorge Luis Borges e o segundo do filme-documentário de João Moreira Salles, numa problematização sobre o campo da memória, desenvolvido por Eneida Maria de Souza.

Palavras-chave


Eneida de Souza, Borges, Aleph, intertextualidade, duplo.

Texto completo:

PDF
53 visualizações.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



APOIO:


A Revista Brasileira de Literatura Comparada está indexada nas seguintes bases:


Revista Brasileira de Literatura Comparada, ISSN 0103-6963, ISSN 2596-304X (on line)

Licença Creative Commons
Esta revista utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

Wildcard SSL Certificates